Ilhas Míticas (Açores)

"Ilhas Míticas" é uma série de 5 documentários que nos transportam para a atmosfera mágica que esteve na origem das principais festividades e práticas populares açorianas. Ao ritmo das estações do ano, o espectador é conduzido a uma viagem no tempo ao encontro de uma sabedoria antiga que extravasa o perímetro das ilhas e encontra eco em mitos europeus arcaicos. O conjunto de mitologias aparece dividido em quatro vertentes dominadas pelas influências cósmicas (com uma quinta dedicada ao Oceano), nas quais os Equinócios e os Solstícios funcionam, á maneira de sempre, como aberturas de comunicação entre diferentes dimensões, no caso, entre deuses e humanos. (RTP)


1º Episódio - Equinócio de Outono

O tema central deste episódio é o da preocupação com a Morte (da Terra e do Homem) e a procura de meios de minorar as suas consequências, enaltecendo a mulher, como fonte de vida. Na Grécia as atenções dirigiam-se para Demeter e para o Mar, também como meio de ligação entre diferentes dimensões.




2º Episódio - Solstício de Inverno

O tempo do Inverno é dominado pelo Culto dos Mortos, que se inicia a 1 de Novembro, segundo o costume Celta. Considerado como a mais antiga forma de religião Europeia, ainda permanece vigente, principalmente nas áreas de Cultura Megalítica da Costa Atlântica.




3º Episódio - Equinócio de Primavera

A Primavera mantém activos muitos dos rituais próprios dos quais se destacam os esconjuros do Inverno como forma de isolamento da Morte e protecção da vegetação que desponta, evitando que se contaminem as próximas culturas agrícolas. A reorganização da vida na Terra reflecte assim a do restante cosmos.




4º Episódio - Solstício de Verão

O hino ao Sol e à sua capacidade revitalizadora sobressai nos rituais deste tempo, como marca da prosperidade sonhada. A sua racionalização foi adoptada pelo Cristianismo inicial surgindo ainda em muitos dos seus símbolos: a Luz da Vida. Rodas e Carros Solares são comuns nas festividades da época.




5º Episódio - O "Mar Oceanus"

As Mitologias do Oceano Atlântico, o Mar que tinha o poder de apagar o Sol, tornaram-se impeditivas da saída dos Europeus para o Mundo. Não obstante, reconhece-se na riqueza de pormenores e através das relações familiares dos respectivos deuses, o vasto conhecimento da influência deste Mar na ecologia do Planeta. A emigração do Europeu faz-se finalmente, levando consigo os seus mitos, na procura das Ilhas dos Bem-Aventurados.